Guia de Raças: gato Siamês, um pet muito inteligente e leal ao tutor

Diz a lenda que os Siameses eram responsáveis pela segurança do Rei de Sião e das joias do palácio, esse gatinho foi se tornando mais popular ao longo dos anos

Os reis de Sião davam gatos como presente para membros de outras nações, como Inglaterra e Estados Unidos

RESUMO

  • Os gatos Siameses eram adorados entre a família real de Siam, onde hoje fica a Tailândia. Eles eram até mesmo considerados sagrados.
  • Os primeiros gatos da raça a saírem da região da Tailândia foram dados como presente pela família real do país.
  • As características físicas dos Siameses são bem marcantes embora, em relação às cores, muitos gatos que não são da raça acabem sendo confundidos como tal.

Uma das raças de gato mais famosas do mundo hoje, a origem dos Siameses é incerta. O que se sabe com certeza, segundo registros datados de 1350, é que a raça surgiu em Ayudha, capital de Siam (Sião) – por isso o nome Siamês -, região onde hoje é a  Tailândia.

A raça era muito adorada pela realeza de Sião. Há uma história que diz que o Rei tinha alguns gatos de estimação no templo real e que os animais serviam também como guardiões, ficando no topo de colunas observando a quem se aproximasse do Rei, pulando sobre os indivíduos caso sentissem que representavam alguma ameaça ao líder.

Registros feitos pelo zoólogo naturalista alemão Peter Simon Pallas, datados do início do século 18, após as explorações do Mar Cáspio, descrevem um animal semelhante às características dos Siameses: “Orelhas, patas e cauda meio pretas. Ele é de porte médio, tem pernas aparentemente menores do que as de gatos comuns e a cabeça fica maior em direção do nariz”.

Outra crença que aumentava a popularidade entre a realeza de Sião era a de que esses gatos herdariam as almas após a morte e também serviam como companhia para as princesas e proteção para as joias.

Já no século 19 o Rei deu um casal de felinos ao consulado inglês em Bangoc (capital Tailandesa). Pho e Mia, como eram chamados, foram os primeiros gatos da raça a serem levados para o Ocidente, sendo levados para a Inglaterra em 1884, pelo cônsul inglês Owen Gould. Já em 1885, os bichanos foram expostos em um concurso de beleza, sediado no famosos Crystal Palace. O porte elegante e os olhos azuis chamavam a atenção, mas a recepção para os novos gatos foi mista, por serem bastante diferentes dos gatos comuns da região na época.

Além da Inglaterra, gatos da raça também foram levados para o norte da Grã-Bretanha, França e Japão. Já nos Estados Unidos esses animais chegaram somente no final do século 19, também como um presente do Rei de Sião. Apesar da beleza e popularidade entre a alta classe, a popularidade dos gatos Siameses aumentou consideravelmente após o fim da Segunda Guerra Mundial, chegando a se tornar um dos maiores em número de registros.

Em 1879, o cônsul norte-americano deu um gato Siamês para Lucy Webb Hayes, esposa do então Presidente dos Estados Unidos, Rutherford B. Hayes. Com o passar dos anos outros padrões passaram a ser aceitos como “legítimos” para a raça, contanto que características mais básicas fossem mantidas, como manchas nas extremidades da cauda, focinho, orelhas e patas.

Esses gatos amam companhia e não se sentem bem sozinhos por muito tempo

Na animação e, posteriormente no live action, da Disney  “A Dama e o Vagabundo”, haviam os gatos chamados Si e Am, dos quais os nomes faziam referência a Siam, país de origem da raça.

Por serem usados como guardiões das joias das princesas (segundo a lenda), acredita-se que a torção características da cauda desses gatos se deva ao fato de que eles o usavam para guardar os anéis. O fato de muitos Siameses serem vesgos também é atribuído a lenda de que vigiavam as joias reais a uma distância muito curta. 

Apesar de alguns gatos mais peludos serem bem semelhantes em questão de cores com os Siameses, a raça é composta apenas por gatos de pelos curtos e finos. Os gatos Siameses são claros e com manchas escuras. Eles têm corpo longo e esguio, com focinho mais alongado em forma de cunha. A raça é relativamente rara no Brasil.

fonte: https://canaldopet.ig.com.br/curiosidades/racas/2022-01-05/gato-siames-no-guia-de-racas.html?Foto1